5 estratégias financeiras e investimentos que funcionam com qualquer pessoa

Algumas táticas para controlar e organizar suas finanças podem dar certo para seus conhecidos, mas não necessariamente serão boas para você.

Entretanto, como explicou o site "The Simple Dollar", existem algumas estratégias que são essenciais para todas as pessoas entenderem suas finanças e que funcionarão em todos os casos, principalmente pelo fato de serem simples, rápidas, e conselhos que não se tornam ultrapassados.

Confira cinco deles:

Quitar as dívidas com juros maiores:

Dívidas com cartão de crédito, cheque especial e empréstimos pessoais possuem os juros mais altos do mercado. Mantê-las é prejudicial tanto para suas finanças, já que elas ficam comprometidas, quanto para você próprio, que deixa de alcançar metas financeiras e de concretizar planos.

As dívidas e possuem juros menores também devem ser quitadas, mas podem ser colocadas em segundo plano.

Criar um fundo para emergências:

Não existem motivos que apontam que ter um fundo de emergência é algo ruim ou que você não deveria ter. Se tiver algum problema com seu carro, casa, um possível acidente ou uma situação inesperada que acabe custando, você precisa ter uma reserva de dinheiro para não se prejudicar financeiramente.

O ideal é que você consiga montar uma reserva com dinheiro suficiente para se manter por no mínimo seis meses, segundo o assessor financeiro Joe Carbone.

Pesquisar os melhores preços para compras recorrentes:

Em casos de compras caras e que são constantes, o ideal é fazer uma busca bem rigorosa pelo menor preço, ainda que lhe custe algum tempo. Mesmo que você acredite ter encontrado o melhor preço, pode encontrar um acordo mais vantajoso se procurar mais.

Acompanhar seus gastos:

Mesmo que você tenha uma renda alta, pode passar a gastar menos se começar a acompanhar seus gastos algumas vezes no ano. Além disso, é uma maneira de saber para onde seu dinheiro está indo. Analisar suas últimas faturas do cartão de crédito e extratos bancários são algumas possibilidades.

Criar um orçamento mensal para sua casa e família:

Para acompanhar seus gastos com contas de luz e água, aluguel, alimentação, educação, entre outros, e evitar que eles saiam do controle, crie um orçamento mensal voltado apenas para eles.

Assim, você perceberá onde é possível cortar gastos, identificar os maiores e controla-los à sua maneira.

Avalie seus investimentos:

A poupança é um investimento que costuma ser preferido por sua segurança, simplicidade e também por não pagar Imposto de Renda nem taxa de administração. Mas, com a inflação em alta, ela tem perdido rentabilidade

Tesouro Direto - Títulos públicos emitidos pelo governo. Eles podem ser indexados à taxa Selic (Tesouro Selic), à inflação (Tesouro IPCA+) ou ainda pagar uma taxa previamente acordada de juros (Tesouro Prefixado). No caso do Tesouro IPCA+ e do Tesouro Prefixado, procure aplicar nos títulos que vão coincidir com a data de resgate, para receber a rentabilidade contratada. Se sacar antes, corre o risco de perder dinheiro.

Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCA): São títulos de crédito que têm como garantia financiamentos imobiliários ou financiamentos agrícolas. Não pagam IR nem taxa de administração e são garantidas pelo FGC em até R$ 250 mil. A desvantagem é que normalmente têm prazo para resgate.

CDB: não paga taxa de administração, mas paga Imposto de Renda. Ganha mais se ficar aplicado mais tempo. Tem proteção do Fundo Garantidor de Créditos de até R$ 250 mil por CPF e por banco (acumulado com outras aplicações, como poupança).

Fundos de renda fixa: confira a taxa de administração. Especialistas aconselham a investir em fundos cuja taxa seja de no máximo 1% ao ano, pois ela incide diretamente sobre o patrimônio do fundo. O investimento tem incidência de IR, que vai de 22,5% para aplicações com menos de 6 meses a 15% para períodos acima de 2 anos. Paga imposto come-cotas, um desconto semestral de IR.

Previdência privada: Uma boa alternativa para o dinheiro da aposentadoria. PGBL é indicado para quem faz o Imposto de Renda pelo formulário completo. VGBL, para quem opta pelo simplificado. A vantagem é que a tributação só irá ocorrer no resgate do dinheiro. No caso do PGBL, a tributação incide sobre o total e, no VGBL, sobre o rendimento da aplicação.

Neste último caso, o site Portal do Ensino Profissional oferece o Curso Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2016 que descreve como declarar os valores de previdência, além, é claro, do conteúdo de toda a declaração.

Fonte: Uol


Galeria



Comentários